Alma de Deus, Apóstola de Maria

O modo brutal e dramático como a nossa Fundadora perdeu a vida no passado dia 20 de Agosto, revestiu-se de tais circunstâncias malévolas, que a nossa primeira reacção talvez tivesse sido a de nos interrogarmos: - Como é que Deus permitiu uma coisa destas?

Até ao momento de passarmos a entender esse acontecimento com a sabedoria que o Espírito Santo nos concede, aquele pensamento revela uma momentânea falta de confiança na Providência Divina. O Senhor sabe o que faz e não duvidamos que tudo o que Ele faz é bem feito. Podemos não entender no momento, mas lá virá o dia em que se abrirá a nossa mente e então saberemos ver e compreender.

Santo Agostinho dizia que Deus quer o nosso bem mas permite o mal, para que exerça então todo o Seu poder, de tal forma que desse mal extraia um bem ainda maior. Lembremo-nos de Job a quem Deus permitiu que tudo lhe fosse tirado para depois lhe dar ainda mais em abundância. Queremos maior evidência para justificar tudo o que se passou? Não são estas palavras de particular esperança, conforto e alento para todos nós?

Sempre se disse que o sangue de mártires é semente de novos cristãos e o martírio da nossa Fundadora não será em vão, pois dele o Senhor fará germinar bons e abundantes frutos de salvação através do Grupo da Imaculada. O povo, na sua linguagem simples e sábia, costuma dizer que “Deus escreve direito por linhas tortas”. Assim será mais uma vez. De um grande mal, Deus, com o Seu poder, há-de extrair um bem ainda maior. Não duvidemos!

A Senhora Doutora Maria das Candeias Martins Morgado nasceu na Vila Nova de São Bento no dia 5 de Setembro de 1924. Baptizada a 16 de Novembro desse ano, a sua primeira comunhão ocorre no dia 6 de Maio de 1933.

A 26 de Setembro de 1949, aos 25 anos de idade, na capela situada no Largo de Santa Maria, em Beja, faz votos solenes e perpétuos de fidelidade a Deus, consagrando-Lhe a açucena da sua pureza. Passa então, todos os dias, longas horas na Igreja em adoração ao Santíssimo. Desde os 14 anos que o Senhor a enriqueceu com muitas graças e dons que lhe iriam ser preciosos para a sua missão. Em 26 de Dezembro de 1984 orienta a primeira peregrinação ao estrangeiro que precedeu a constituição do Grupo da Imaculada, o qual surgiu por inspiração divina com uma característica peculiar e única de ser de leigos para leigos com base nos documentos conciliares do Vaticano II, com o objectivo de ajudar a estabelecer no mundo a devoção ao Imaculado Coração de Maria, conforme pedido de Nossa Senhora na aparição de Julho de 1917.

Licenciada em História pela Universidade de Coimbra e em Teologia pela Universidade Católica de Lisboa, manteve sempre uma simplicidade e discrição notáveis, passando despercebida e ignorada apesar das predilecções que o Senhor já lhe manifestava e da missão que lhe confiara.

A nossa Fundadora instala-se então em Fátima na casa que actualmente serve de sede e que foi o lugar onde se fundiram os primeiros sinos para a Basílica.

A primeira reunião oficial do Grupo realizou-se no Seminário do Verbo Divino no dia 2 de Fevereiro de 1985 – dia de Nossa Senhora das Candeias – com enorme afluência.

Por nova inspiração do Alto, procede à implantação de Monumentos cheios de significado e simbolismo por inúmeras terras de Portugal e do estrangeiro, onde se procede também à Consagração ao Imaculado Coração de Maria, das pessoas e dos lares, muitas delas com a sua motivadora presença, fazendo todos os anos visitas apostólicas junto das comissões locais dentro e fora do País, catequizando, orientando, esclarecendo e ajudando espiritualmente.

Promove e orienta inúmeras peregrinações a variadíssimos Santuários dentro e fora de Portugal, criando nelas um verdadeiro ambiente de intensa espiritualidade e fervor, transformando-as em autênticos cenáculos de oração, reparação e súplica.

A 9 de Novembro de 1986 cai violentamente dentro de casa fracturando uma rótula. Esse acidente poderia torná-la incapaz de se mover e limitar assim o seu abençoado raio de acção. Tal não sucederá! Contudo, vai passar a sofrer horrivelmente pelos estragos irreparáveis e enorme dificuldade no andar, que no entanto não a farão desistir devido ao seu extraordinário espírito de sacrifício e força de vontade.

Lança-se então para vários países contactando membros dos respectivos episcopados, que agradecem a sua presença, se maravilham com a Mensagem de Nossa Senhora e incentivam a sua missão. Logo sensibiliza e estimula a constituição de comissões locais para tomarem conta dos Monumentos e dinamizarem nas Paróquias as devoções marianas e cordimarianas, estabelecendo os meses de Março e Outubro de cada ano para Encontros Internacionais em Fátima no Edifício Paulo VI.

Em Fevereiro de 1988 entrega em Roma ao Santo Padre João Paulo II a maquete dos Monumentos e um álbum com as fotografias das inaugurações feitas até à data, gesto que muito sensibiliza o Papa, que se demorou atentamente a apreciar todo o conteúdo, proferindo depois palavras de felicitações e de encorajamento para que prossiga com entusiasmo.

Na mesma viagem, o Grupo da Imaculada, a pedido do Senhor Padre Luís Kondor, teve a inolvidável graça de levar consigo o processo de beatificação dos Pastorinhos Francisco e Jacinta Marto para ser entregue na Prefeitura da Causa dos Santos.

Em Setembro de 1989, em Castelgandolfo, a nossa Fundadora tem a oportunidade de falar com Sua Santidade o Papa João Paulo II, que lhe responde de forma providencial: “Faz como a nossa Mãe, não desanimes, continua a pedir, reza e confia”, frase cujo conteúdo passou a ser mais uma pedra de toque da sua riqueza espiritual.

A sua última inspiração celestial veio sob a dupla forma do escapulário dos Corações de Jesus e Maria e da Consagração aos mesmos Corações de forma sublime na súplica, compromisso e protecção que lhe estão subjacentes.

De uma pureza irrepreensível, a sua inocência quase infantil causava admiração. Inflexível na sã doutrina, trabalhadora incansável nas coisas de Deus, sempre com o coração inflamado para salvar os pecadores, todo o tempo achava pouco para rezar, meditar e preparar as suas obrigações com grande antecedência e cuidado. Dizia muitas vezes que tinha que cumprir a sua missão como Deus lhe pedira, nem que para isso tivesse de passar por cima de brasas, pois, se não o fizesse, haveria de Lhe prestar rigorosas contas. Por isso, Deus a premiou já neste mundo com várias manifestações de predilecção muito especiais.

De trato simples e muitas vezes acompanhado de uma verdadeira e santa ingenuidade, a todos dispensava uma atenção e um sorriso que não deixava ver o sofrimento que lhe ia no corpo e na alma, devido à sua precária saúde e à angústia de ver o mundo cada vez mais longe de Deus. Foi sempre, apesar de tudo, uma mulher com enorme força e coragem, dando extraordinário exemplo de determinação e de insuperável confiança no auxílio de Deus e do Imaculado Coração de Maria.

Por tudo o que a nossa Fundadora nos ensinou para podermos caminhar uma vida de perfeição e santidade, de que ela própria nos deu extraordinário exemplo, podemos considerá-la como mãe espiritual de todos os membros do Grupo da Imaculada. Rezemos-lhe, por isso, com confiança e peçamos-lhe a sua valiosíssima intercessão em todas as nossas necessidades.

Por sua expressa vontade, a Senhora Dona Angelina Pinto Leite é a nova Presidente do Grupo da Imaculada e da Fundação Apostolado do Imaculado Coração de Maria. Companheira que, natural e humildemente se fez sempre apagada junto da nossa Fundadora, num permanente espírito de bem servir, dedicada, atenta e diligente até à exaustão, ponderada e de serena firmeza, viveu e participou em todos os acontecimentos do dia a dia ao longo dos anos o que lhe confere um total conhecimento de todos os assuntos e sensibilidades envolventes. Também nela se podem aplicar as consoladoras palavras de Jesus: “Os humildes serão exaltados”.

Devemos, pois, dar-lhe todo o nosso apoio sincero, a nossa fidelidade absoluta e a nossa obediência sem reservas, ajudando-a sempre, para que possamos suavizar-lhe os sacrifícios e os muito trabalhos que terá de enfrentar. Sabemos que o Espírito Santo não lhe faltará com os Seus Santos Dons, mormente os da Sabedoria, Fortaleza, Prudência e Bom Conselho; que o Imaculado Coração de Maria a protegerá maternalmente e que a nossa Fundadora estará sempre a seu lado, não só como protectora e inspiradora da sua acção, mas também como retribuição de todo o apoio e zelo que dela recebeu neste mundo.

Setembro de 2003

                                                        António Portela