Simbolismo do Monumento

SIMBOLISMO DO MONUMENTO

 

1.  Nos Monumentos ao Imaculado Coração de Maria, promovidos pelo Grupo da Imaculada, encontram-se elementos do Antigo Testamento, do Novo Testamento, da Mensagem de Fátima e da Doutrina da Igreja.

2.  Os três degraus constituem os alicerces do Monumento e representam os alicerces da Vida Espiritual.

     O primeiro degrau, junto à terra, representa o 1º grau da Vida Espiritual, isto é, isenção de pecado grave; só existe a graça actual.

     O segundo degrau representa o 2º grau da Vida Espiritual: desapego do pecado, mesmo das faltas veniais. Ou seja, quando se cai em falta, deve ser só por fraqueza e não por malícia, dado que já existe graça santificante.

     O terceiro degrau, já junto à base do Monumento, é o mais difícil e significa desapego das coisas do Mundo, isto é, devemos servir-nos das coisas, como meio, e não como fim. Mas uma vez subidos os anteriores, rezando e conservando-nos na presença de Deus, pela acção da graça santificante, o Senhor e Sua Santíssima Mãe não deixarão de ajudar.

     Mesmo que alguém, vivendo em tibieza e conhecendo a Mensagem de Fátima, não queira ver os degraus de frente e pensar no seu estado de alma, indo para qualquer das faces do Monumento encontra sempre os três degraus, como um alerta à emenda de vida, apontando-lhe os três graus da vida espiritual.

3.  A seguir, estão as quatro colunas do Monumento, onde se prendem os vidros.

     As colunas representam as quatro colunas da Igreja, os quatro Evangelistas.

     Os vidros representam a transparência que a nossa vida deve ter. Assim como quanto mais limpos estão os vidros melhor vemos o Imaculado Coração de Maria, assim também quanto mais limpa e transparente for a nossa alma melhor recebe Jesus.

  1. Dentro do Monumento está Nossa Senhora, Ponte entre o Velho e o Novo Testamento, porque nasceu ainda no tempo do Velho Testamento, mas passa para o Novo Testamento com a vinda de Jesus.

Nossa Senhora continua a ser Ponte porque, pelo Seu “fiat”, trouxe Aquele que nos havia de remir da falta dos nossos primeiros pais.

     Assim, é Ponte e, ao mesmo tempo, Nossa Mãe e intercessora, por ser a Mãe de Deus.

5.  Depois, temos o telhado com quatro águas que representam os quatro rios do Paraíso, como nos fala o “Génesis”, capítulos 2 vs. 11 a 14, e por onde corre, para os quatro cantos do mundo, um ponto essencial da Mensagem de Fátima: “Jesus quer estabelecer no mundo a devoção ao Imaculado Coração de Maria”.

6.  Por fim, em volta do Monumento, estão 5 pilares, que sustentam um terço.

     Os 5 pilares representam os cinco Primeiros Sábados, pedidos na Mensagem de Fátima. 

     O Terço está ali a lembrar que Nossa Senhora, em Fátima, em 1917, nas seis aparições, pediu que se rezasse o Terço todos os dias.

7.  A Imagem de Nossa Senhora é a imagem do Imaculado Coração de Maria, mostrada em Fátima aos Pastorinhos, na aparição de 13 de Junho de 1917.

     Os Monumentos devem levar-nos não só conhecer a Mensagem de Fátima, mas a praticá-la; e, pela sua vivência, levar outros a vivê-la. Assim ao propor-se que se considerem os 3 degraus do Monumento, está a ajudar-se a fazer uma introspecção e logo se dando conta em que ponto vai o seu esforço em ascese.

     Será que já estamos no primeiro degrau, ou grau da vida espiritual?

     Será que pela oração e desejo de ascese, já passámos para o segundo degrau ou grau da vida espiritual?

     Ou será que, por graça de Deus e com o nosso “fiat”, conseguimos estar já no terceiro degrau, ou grau da vida espiritual?

     É este o desejo de ascese do Grupo da Imaculada.

8.  Os monumentos são sempre todos iguais, tanto em Portugal como no estrangeiro, para evitar competições e vaidades, como nos pede a Mensagem de Fátima.

     Esta Mensagem engloba a vida toda de quem a pratica – tanto no seu exterior, evitando extravagâncias, como no cuidado em se manter vigilante, nos degraus, ou graus, que já se conseguiu subir, com a ajuda de Nossa Senhora.

     É esta a simples, mas entusiasmante mensagem que nos transmite o Monumento, como um princípio de vida interior mais cuidada e atenta, como resposta aos pedidos de Nossa Senhora em Fátima.

     Não esqueçamos nunca: “uma alma que se eleva, eleva o mundo”, mas quando se perde uma alma, o Mundo fica mais pobre.